quarta-feira, 17 de junho de 2009

Balanço Final

Este ano em Área de Projecto, realizámos vários projectos, dos quais, o projecto de solidariedade 'Espalha-Sorrisos' e este projecto de realização de blogs para as diferentes disciplinas. O 1ºprojecto correu muito bem, não contando com os problemas de autorização por parte do Conselho Executivo, este projecto dos blogs, pensamos que no início correu melhor, devido essencialmente a falta de tempo que verificámos agora, no final. Mas no geral, tornou-se até muito útil, pois permite seguir a matéria, pelo menos daquela disciplina da qual temos o blog. Realizamos também vários postais, para objectivo de intercâmbio. Uma actividade bastante agradável.

Com desejo de boas férias para toda a gente. Bom final de ano lectivo.

Inês e Miguel

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Reacção de precipitação (Vídeo)

Aqui está uma reacção de precipitação que vimos na aula: a reacção entre iodeto de potássio e nitrato de chumbo, sendo o precipitado o iodeto de chumbo.
video

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Organização corpuscular

A matéria apresenta-se nos estados sólidos, líquido e gasoso.
Os estados físicos da matéria explicam-se em termos de agregação corpuscular.
O estado de agregação dos corpúsculos constituintes de um sólido, de um líquido ou de um gás condiciona as propriedades dos materiais.

Estado sólido:
- Corpúsculos muito próximos uns dos outros;
- Forças de ligação muito intensas;
- Corpúsculos com muita pouca liberdade de movimentos;
- Forma definida, volume constante e praticamente incompressíveis.


Estado líquido:
- Corpúsculos mais afastados uns dos outros;
- Forças de ligação mais fracas;
- Maior liberdade de movimentos;
- Forma variável, volume constante e praticamente incompressíveis.


Estado gasoso:
- Corpúsculos muito afastados uns dos outros;
- Forças de ligação muito fracas;
- Grande liberdade de movimentos;
- Forma variável, volume variável e facilmente
compressíveis.

A agitação dos corpúsculos da matéria aumenta quando a temperatura aumenta.

Teoria corpuscular da matéria

Tudo o que nos rodeia é feito de matéria.

Por exemplo, o ar que respiramos, a água do mar, dos rios e dos lagos, os minerais que constituem as rochas, os planetas, as estrelas e todos os outros corpos celestes são feitos de matéria.

Como é constituída a matéria?

A matéria tem uma determinada estrutura da qual dependem as suas propriedades. É constituída por pequeníssimos corpúsculos invisíveis e em contínuo movimento.

É a existência destes corpúsculos que explica muitos dos fenómenos que ocorrem na nossa vida.

Contudo, não conseguimos observar, directamente, os corpúsculos constituintes da matéria.

Há, no entanto, evidências que comprovam a teoria corpuscular da matéria.

Foram os filósofos gregos, há cerca de 2500 anos, que tentaram explicar as propriedades e o comportamento da matéria.

Segundo o filósofo Demócito, que viveu entre 460 e 370 a.C., todas as transformções que ocorrem na Natureza explicam-se a partir da existência de pequeníssimos corpúsculos indivisíveis. Estes corpúsculos movem-se continuamente. Demócrito chamou a esse corpúsculos "atomus", que siginifica não divisível.

Assim, a palavra átomo provém da palavra grega "atomus".

A teoria corpuscular da matéria foi abandonada durante séculos, porque não era possível comprovar a existência de corpúsculos nem explicar por que razão se mantinham unidos. Ressurgiu graças aos trabalhos experimentais do químico inglês John Dalton. Este cientista propôs um modelo para a constituição da matéria, apoiando-se na teoria atomística dos Gregos. Actualmente, a comunidade científica aceita que os corpúsculos constituintes da matéria são os átomos. A utilização de técnicas especiais permitiu já observar imagens de átomos.

Os átomos são corpúsculos incrivelmente pequenos.

Até é difícil de imaginar... Os átomos não são, contudo, as partículas mais pequenas que existem... Têm no seu interior outras partículas ainda mais pequenas.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Reacções de precipitação

Quando se misturam soluções de dois sais solúveis em água, pode suceder que se forme um novo sal insolúvel em água. Esta reacção designa-se por precipitação.

Pode obter-se um precipitado de carbonato de cálcio através do contacto entre as soluções aquosas de carbonato de sódio e de cloreto de cálcio.

Nas reacções de precipitação, formam-se dois sais. Um desses sais é solúvel em água.

O outro produto da reacção é um sal insolúvel em água que se deposita passado um certo intervalo de tempo. Este sal insolúvel é um sólido a que se chama precipitado.

Como se interpreta esta reacção de precipitação?

Os reagentes são o carbonato de sódio e o cloreto de cálcio.

À temperatura ambiente:
- A solubilidade do carbonatao de sódio é 19 g por 100 g de água.
- A solubilidade do cloreto de cálcio é 73 g por 100 g de água.

Os reagentes têm solubilidades em ágas elevadas.

Os produtos da reacção são o carbonato de cálcio e o cloreto de sódio.

À temperatura ambiente:
- O carbonato de cálcio tem solubilidade baixíssima (0,0013 g em 100 g de água).
- O cloreto de sódio tem solubilidade elevada (36 g em 100 g de água).

Os produtos da reacção têm solubilidades muito diferentes. O carbonato de cálcio é o precipitado que se deposita e o cloreto de sódio é o sal solúvel, em água, que se forma.

Considera outra reacção de precipitação.

Misturam-se duas soluções aquosas, respectivamente, de iodeto de potássio e de nitrato de chumbo. Obtém-se um precipitado de iodeto de chumbo.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Reacções ácido-base

O tema de hoje são as reacções ácido-base.

Quando se mistura uma solução aquosa ácida com outra básica ( alcalina ), o pH da mistura altera-se. O corre uma reacção de ácido-base.

A reacção de ácido-base é um tipo de reacção química em que se forma um sal.

Numa reacção de "neutralização", o ácido reage com a base para formar um sal e água.

O esquema de palavras que traduz a reacção de "neutralização" é :

Ácido (aq) + Base (aq) --> Sal (aq) + Água (l)

sábado, 6 de dezembro de 2008

Velocidade das reacções químicas

O tema de hoje é a velocidde das reacções químicas.

reacções químicas que são muito rápidas. Algumas são mesmo explosivas (rápidas e exotérmicas ). Há outras que são lentas.

A rapidez de uma reacção química depende da natureza dos reagentes.

Há dois modos de determinar a velocidade das reacções químicas:

- Mede-se a quantidade de reagente, que se consome em cada unidade de tempo.
- Mede-se a quantidade de produto que se forma, na unidade de tempo.

Quando um dos produtos da reacção química está no estado gasoso, a velocidade da reacção química obtém-se a partir do volume de gás produzido por unidade de tempo.

A velocidade da reacção pode ser influenciada por vários factores :

- A concentração
- A temperatura
- O grau de divisão dos reagentes
- A presença de catalisadores

O que são catalisadores?

Os catalisadores são substâncias que aumentam a velocidade da reacção, apresentando-se inalteradas quando a reacção termina.

Em geral, a velocidade da reacção química aumenta se aumentar a temperatura à qual decorre.

O aumento da concentração de um reagente faz aumentar a velocidade da reacção.

Quanto mais dividido estiver um reagente, tanto maior será a velocidade da reacção.

O que são inibidores?

Os inibidores ou catalisadores negativos são os catalisadores que diminuem a velocidade da reacção.